link link link
link link
love is pain
Usuários online usuários online
»
18.4.2014 + reblog + 151.736 notas + via - source
Fonte:aswechoke
18.4.2014 + reblog + 896.831 notas + via - source
18.4.2014 + reblog + 416 notas + via - source
Fonte:etiopy
18.4.2014 + reblog + 25.716 notas + via - source
Fonte:classykittenn
18.4.2014 + reblog + 5.626 notas + via - source
Fonte:amarga-metade
18.4.2014 + reblog + 53.873 notas + via - source
Não chame de destino as consequências de suas próprias escolhas.
Cazuza.    (via romantizar)
Fonte:im-precisao
18.4.2014 + reblog + 1.017 notas + via - source
Fonte:weheartit.com
17.4.2014 + reblog + 14.833 notas + via - source

Tem coisas que a gente tem que deixar no passado, foi bom, foi gostoso, mas foi.

Fonte:glaubenn
14.4.2014 + reblog + 103 notas + via - source
Era sábado e eu havia marcado com uns amigos de ir para uma festa, porém cheguei mais cedo. Marcamos em uma praça no centro da cidade, bem em frente á uma exposição á céu aberto. Como precisava espera-los passei a observar as telas. Então me encontro fixada em uma certa pintura de uma menina que parecia mais uma maça. Bem baixo, escuto alguém falando ao meu lado:
— Esse peixe parece estar morto.
Olhei para a minha esquerda e me deparei com um rapaz que deveria estar nos seus 20 e poucos anos com uma bermuda velha e uma blusa um pouco suja. Ele usava chinelos e carregava uma mochila que continha um saco de dormir. Exitei ao responder, porém o disse:
— Bem, para mim isso parece uma garota.
— É um peixe. Está claro, você não consegue ver? — Ele retrucou aproximando da tela e apontando para pontos específicos.
— Não consigo ver o peixe, mas acho que arte é a interpretação de cada um.
— É, você tem razão. Mas está obviou que isso é um peixe.
Sorri sem querer acrescentar mais frases á discussão mas parecia que ele ainda não havia acabado:
— O peixe está pintado entre as linhas, é preciso querer enxergar.
Aproximei-me da tela, olhei tão perto que consegui sentir o cheiro da tinta. Virei meu rosto para o dele e respondi:
— Me desculpa, mas eu não vejo peixe algum aqui.
— Ah, eu desisto. A arte no país está acabada.
— Não é para tanto, eu apenas não consigo enxergar o peixe.
— Eu sei. Enfim, meu nome é Erick. — Ele esticou a mão esperando que eu apertasse-a.
Sorrindo respondi:
— Me chamo Ana.
— Apertei sua mão e a conversa acabou ali.
Voltei a observar a tela e percebi que o nome de quem havia pintado era Erick Dellacor. Com um olhar surpreso, virei para o meu lado mas não o vi. Saí andando pela exposição mas não o encontrava em lugar algum.
Quando estava cansada de procurar o vi em frente a sua tela, novamente, conversando com um casal. Me aproximei lentamente sem querer ser notada e consegui ouvir a conversa. Erick tentava convence-los de que o que tinha naquele quadro era um peixe.
Quando o casal se cansou de ouvi-o e o deixou falando sozinho, consegui aborda-lo:
— Foi você que pintou, não foi?
Seu olhar era de orgulho próprio e ao reconhecer meu rosto deu um sorriso torto e respondeu:
— Está um pouco obviou. Eu estou aqui tem meia hora tentando mostrar para todo mundo que passa que isso aqui é um peixe. — disse apontando — Porém a única coisa que todo mundo vê é uma garota ou uma maça.
— Eu acho que você não deveria se importar muito com o que os outros pensam da sua arte.
— Arte? Alguns chama isso de lixo.
— Você se sustenta disso?
— Do lixo ou da arte?
— De tentar convencer todo mundo de que esse desenho é um peixe.
Ele deu uma risada, não esperava por essa resposta. Ficou calado, me olhou nos olhos e depois de um leve tempo pensando me propôs:
— Se você me convencer que isso é uma garota eu te entrego o quadro. Mas se eu te convencer que isso é um peixe você fica aqui me ajudando pelo resto da tarde a divulgar meu trabalho.
— Por mim tudo bem.
— Você primeiro — Ele disse.
Peguei na mão de Erick e com um de seus dedos fiz um contorno na tela:
— Esse é o rosto: nele só consigo ver os olhos e a boca. Não tem nariz o que a faz parecer uma maça. Atrás alguns traços parecem fios de cabelos. Então tem o pescoço e o peito. É bastante simples até.
— Convincente, porém não está certo. Minha vez:
Ele fez o mesmo comigo, pegou o dedo da minha mão e foi apontando para cada parte da tela. Surpreendentemente ele apontou para os mesmos lugares que eu, mas sua explicação foi outra:
— Consegue ver esses olhos? Pois bem, são nadadeiras. Eles te guiam para um outro lugar e se você se fixar neles por muito tempo, talvez consiga chegar a sua alma. O peito é a escama que de tão dura não deixa chegar no coração. E a boca, ah a boca… é o espinho, que fere, que maltrata, que engasga na mentira. Da boca saí palavra e da palavra a ferida.
— Ela é um peixe.
— Não… é só uma garota.
Peixe como ela, wondervibe. (via wondervibe)
14.4.2014 + reblog + 3.818 notas + via - source
Adeus você, eu hoje
vou pro lado de lá. Eu
tô levando tudo de mim,
que é pra não ter razão
pra chorar; Vê se te
alimenta, e não pensa
que eu fui por não te
amar.
Los Hermanos.   (via romantizar)
Fonte:decepciona
12.4.2014 + reblog + 17.447 notas + via - source
Fonte:svxp
1.4.2014 + reblog + 5.626 notas + via - source
Fonte:amarga-metade
1.4.2014 + reblog + 27.790 notas + via - source
Corra o risco. Se der certo, felicidade. Se não, sabedoria.
Autor desconhecido. (via sou-inseguro)
Fonte:silenciadores
1.4.2014 + reblog + 4.885 notas + via - source
Fonte:optimistinsoul
30.3.2014 + reblog + 189.495 notas + via - source
Fonte:avessiunaltromodo
theme
theme by
inacabar